Dificuldades no modelo de cooperativismo da saúde

playmobil-442966_1920

Ainda que tenha tomado algumas informações em notícias sobre este assunto, as opiniões correspondem com meu pensamento, e decorrem muito da experiência acumulada junto ao sistema cooperativo de saúde brasileiro.

A análise das nossas instituições mostra debilidades que devemos combater e corrigir imediatamente, tendo como objetivo reforçar o nosso modelo de cooperativismo.

Devemos nos adaptar ao mercado, que nos impõe dificuldades de diversas origens – concorrência, judicialização, interferência governamental, etc. São ameaças ao nosso modelo e exigem atuar em consonância com o mercado, sem perdermos a essência do cooperativismo.

Vamos unir nossas forças – aumentar a integração, para reagirmos – encontrando alternativas viáveis para o momento.

As oportunidades continuam presentes, para quem busca novos caminhos, em benefício das pessoas.

Vale lembrar que algumas dificuldades aparentam ser maiores que de fato o são. Enquanto isso, desdenhamos fatores menores, que impactam mais no sistema cooperativo. Devemos estudar o entorno.

A sociedade não tem consciência do valor das cooperativas. Não somos visíveis à sociedade, como cooperativas. Conhecem bem a marca e pouco do movimento do setor.

Os governos, nos diversos níveis, não demostram atuação proativa com relação às cooperativas. O setor público aparenta ter medo de perder seu valor no setor de saúde. Compete e se torna em competidor desigual com o setor privado (alternativo). Sim, alternativo, porque os órgãos controladores nos denominam suplementar, o que na prática são somos.

Há necessidade de melhor governança nas nossas organizações, permitindo inovação contínua.

Os inúmeros atos legais de controle tornam a legislação confusa e espoliadora, na medida que contratos e compromissos bilaterais prévios se tornam de pouco valor, o que leva a discussões judiciais cansativas e desgastantes, em todos os sentidos.

Muitos acreditam que não somos um sistema autossustentável, que não vamos sobreviver. Mas lembremos bons resultados. Os casos ruins são em bem menor número.

O setor público não investe em cooperativas de saúde, o que talvez tornaria a viabilidade mais frequente, o que proporcionaria melhor atendimento da população e atuaria como auxiliar na cobertura à saúde nacional.

Quem é responsável pela saúde da população? São diversos os participantes: usuários, trabalhadores da saúde, médicos, etc. Compreendendo que essa atividade melhora a saúde das comunidades, que busca um menor custo, que aprecia a participação de seus membros, que ajuda a desenvolver as comunidades, é imprescindível que o setor público também seja parte efetiva objetivando a participação e a satisfação da sociedade.

Anúncios

O Futuro das Unimed’s, se…

Edson Luiz Doncatto Presidente do IBRASCOOP edsondoncatto@gmail.com
Edson Luiz Doncatto
Presidente do IBRASCOOP
edsondoncatto@gmail.com
   As OPS, operadoras de planos de saúde, incluindo as Unimed’s, perderam o foco da qualidade no atendimento aos clientes. Os clientes acham a cobertura da saúde cara e entendem que não estão sendo atendidos adequadamente, tanto em serviços particulares como nos serviços públicos. Soma-se também o fato de que a demanda pelo atendimento é grande o provoca espera pelo atendimento.
   O médico (boa parte) trabalha descontente, porque o valor dado ao seu trabalho é baixo. Nas Unimed’s o médico é sócio, permite reivindicar, noutras operadoras é credenciado, e não é conveniente reclamar porque talvez seja dispensado!
   Com relação à remuneração do trabalho médico é muito intrigante, que nas cooperativas de saúde, incluindo Unimed’s, a forma de remuneração do trabalho é linear, não importando o grau de dificuldade e o tempo necessário para sua execução e nem a experiência de quem a pratica, e muito menos se o médico é ou não especialista. Nos outros ramos do cooperativismo, por exemplo, nas cooperativas de produção, o produto é pago pelo seu grau de qualidade e classificação. Veja-se o exemplo do leite: de acordo com sua classificação tem valor diferenciado, pois na sua produção os cuidados e a forma de produzi-lo foram diferentes. Não quero comparar consulta médica com produção de leite, porém temos que achar uma maneira de remunerar de forma diferenciada a atividade médica de algumas especialidades. Alguma coisa precisa ser mudada, pois não podemos continuar com o rótulo de cooperativa, tratando de forma igual, as atividades complexas que exigem uma série de requisitos desiguais. Em algumas atitudes somos cooperativa e em outras não, que paradoxo…
   A nossa forma de gestão do negócio precisa ser revista urgentemente, porque como está se individualizam os ganhos e se socializam os custos. Não há incentivo ao comprometimento. Não se oportuniza ao sócio a chance de aumentar ou diminuir seus ganhos em decorrência do resultado do seu trabalho.
   O desafio é: Como tornar o sócio da cooperativa Unimed feliz por ainda ter a sua entidade, que vai ao mercado de alto risco dos planos de saúde, e que possa lhe oferecer trabalho com melhor remuneração do mercado brasileiro. Não esqueçamos nunca que existe um cliente pagando o plano de saúde, que requer cada vez mais atenção. Os clientes não trocam de plano por causa do controle da Agência Nacional de Saúde, nem pelos preços da concorrência, e sim pela nossa incapacidade de retê-los, onde é de fundamental importância a relação médico-paciente.
   Diante disso, o que fazer? Mudar a forma de remuneração do trabalho médico. Separar, dentro da própria Unimed, quem quer ser médico sócio da cooperativa e quem quer ser só credenciado. Os médicos que assumem o risco do negócio, os atuais sócios, serão tratados como sócios de uma cooperativa e os demais terão a garantia de atender os beneficiários da Unimed, porém na condição de credenciados. Mas, isto é assunto para outra ocasião.

RENOVAÇÃO DO QUADRO SOCIAL NAS COOPERATIVAS MÉDICAS

5226383873_08e0835fff_z

(Edson Luiz Doncatto)

Nas cooperativas em geral, dependendo do seu ramo de negócio ou da sua finalidade social, o ingresso é tecnicamente limitado, tendo em vista que se aumentar demasiadamente o quadro social, não haverá trabalho para todos os sócios.

Numa cooperativa de consumo ou de produção este problema não existe, porém nas cooperativas de trabalho e nas cooperativas médicas, onde do montante arrecadado mensalmente é feita a distribuição por serviços prestados, isto pode ocorrer. Quanto mais sócios, maior a possibilidade de diluição dos ganhos. Ainda que as cooperativas tenham sido constituídas com finalidade de proporcionar trabalho, é difícil quantificar o ponto em que a diluição dos ganhos dos sócios passa a repercutir, pois é normal que todos queiram ganhar bem.

No cooperativismo médico, o fato de ser sócio não significa que o mesmo terá trabalho assegurado e muito menos um ganho estimado, pois aqui existem algumas peculiaridades pouco encontradas nos outros ramos.

O grande trunfo do cooperativismo é o fato do sócio ter acesso ao mercado de trabalho ou de serviço que sua cooperativa oportuniza – representando o mesmo. Porém, o sucesso desse trabalho e a procura pelos clientes são dependentes da capacidade pessoal do profissional. Ser sócio de uma cooperativa não assegura ganho certo, o que é salutar, pois obriga ser cada vez mais competente e ter sempre bons resultados no trabalho desenvolvido, estar atualizado, estudar continuamente. No futuro, acredito que a valoração do trabalho médico nas cooperativas médicas, levará em conta estes itens, além da experiência de cada sócio. Esta experiência é fundamental para si e para a própria cooperativa uma vez que o produto que é oferecido ao mercado de planos de saúde é o próprio trabalho do médico.

Como as cooperativas médicas já completaram quatro décadas é normal que o seu quadro social esteja em renovação gradual e continuada. A necessidade de competir no mercado aponta para o ingresso de novos sócios, com novos conhecimentos e com capacidade de aplicação das novas tecnologias, fator relevante.

Qualificar o quadro de sócios da nossa cooperativa é necessário.  Utilizando critérios técnicos para ingresso é estratégico para manter a carteira dos clientes, sem interferir no trabalho dos demais sócios.  O nosso ganho depende da capacidade técnica individual e principalmente da relação médico-paciente, característica fundamental que diferencia as cooperativas médicas das outras cooperativas de trabalho.

Princípios do Cooperativismo

coop-nova-logo-mundial

 

1 – Adesão voluntária e livre – Cooperativas são organizações voluntárias abertas para todas as pessoas aptas para usar seus serviços e dispostas a aceitar suas responsabilidades de sócio sem discriminação de gênero, social, racial, política ou religiosa.

2 – Gestão democrática pelos associados – as Cooperativas são organizações democráticas controladas por seus sócios, os quais participam ativamente no estabelecimento de suas políticas e nas tomadas de decisões. Homens e mulheres, eleitos pelos sócios, são responsáveis para com os sócios. Nas cooperativas singulares, os sócios têm igualdade na votação; as Cooperativas de outros graus são também organizadas de maneira democrática.

3 – Participação econômica dos associados – eles contribuem equitativamente e controlam democraticamente o capital de sua Cooperativa. Parte desse capital é usualmente propriedade comum da Cooperativa para seu desenvolvimento. Usualmente os sócios recebem juros limitados sobre o capital, como condição de sociedade.Os sócios destinam as sobras para os seguintes propósitos: desenvolvimento das Cooperativas, apoio a outras atividades aprovadas pelos sócios, redistribuição das sobras, na proporção das operações.

4 – Autonomia e Independência as Cooperativas são organizações autônomas de ajuda mútua. Entrando em acordo operacional com outras entidades, inclusive governamentais, ou recebendo capital de origem externa, elas devem fazer em termos que preservem o seu controle democrático pelos sócios e mantenham sua autonomia.

5 – Educação, formação e informação – as Cooperativas oferecem educação e treinamento para seus sócios, representantes eleitos, administradores e funcionários para que eles possam contribuir efetivamente para o seu desenvolvimento. Também informam o público em geral, particularmente os jovens e os líderes formadores de opinião sobre a natureza e os benefícios da cooperação.

6 – Intercooperação – as cooperativas atendem seus sócios mais efetivamente e fortalecem o movimento cooperativo trabalhando juntas, e de forma sistêmica, através de estruturas locais, regionais, nacionais e internacionais, através de Federações, Centrais, Confederações etc.

7 – Compromisso com a comunidade – as Cooperativas trabalham pelo desenvolvimento sustentável de suas comunidades, através de políticas aprovadas pelos seus membros, assumindo um papel de responsabilidade social junto a suas comunidades onde estão inseridas.

Tudo sob controle

coffee-973903_1920

(Pedro Inacio Mezzomo)

Quando a organização é por demais burocrática, com normas e sistemas restritivos, guiada pela intenção de ter tudo sob controle, estabelece que não haverá questionamentos. Daí, o nível de iniciativa é unicamente o que se manda fazer. A informação não circula e o ânimo é de fazer pouco, resignar-se e desconfiar.

A cultura baseada na confiança permite aproveitar energias e criatividade de todos. Não deve haver muitas regras, mas dose elevada de responsabilidade. Não há uma forma única de fazer as coisas, mas devemos confiar que o trabalho seja feito.

A censura reflete a falta de confiança de uma sociedade em si mesma.” Potter Stewart