BUSCAMOS TRABALHO DIGNO

 

 

 

O Cooperativismo, no seu histórico mais que centenário, foi todo esse tempo fator de inclusão social e desenvolvimento comunitário, no mundo inteiro.

Porém, os problemas sociais continuaram crescendo, não só na população carente, mas também em setores de melhores condições, onde a falta de espaço de trabalho e a desvalorização humana e da mão de obra se tornaram fator crucial na sociedade. Aqui se criou uma demanda social ampla e com grandes oportunidades para as cooperativas se tornarem parte da solução.

A participação do governo, junto com entidades cooperativas, universidades e outras organizações é essencial para o sucesso e a busca de benefícios para a sociedade e seu bem-estar social.

É necessário que os governos incentivem e participem dos planos de desenvolvimento cuja potencialidade das cooperativas conseguem atender ajudando a política pública.

As cooperativas são o caminho para o trabalho digno e participativo, onde os projetos são democraticamente estabelecidos, para o bem da maioria. Evita a excessiva desigualdade, abre espaço de trabalho, não só para o seu sócio, mas toda as pessoas necessárias ao cumprimento dos seus objetivos, integrando grande número de membros da comunidade.

Somos alternativa viável para a igualdade social, não total (o que é impossível) mas digna para todos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Unimed Central de Serviços – RS, nova sede.

A Unimed Central de Serviços – RS fez hoje um evento de apresentação da nova sede própria, localizada no Bairro Niterói, em Canoas, RS. Completa mais uma fase que iniciou em 1997. Estamos felizes por termos participado, humildemente, dessa evolução. Saudamos todo o grupo de trabalho através da direção atual dos Drs Jorge Robinson, Luiz Thomé e Paulo Gonçalves.

A Unimed Central de Serviços – RS é uma sociedade simples de responsabilidade limitada, com forma e características jurídicas próprias de uma Cooperativa de segundo grau, de natureza civil, capital fechado e sem escopo lucrativo. Foi fundada em 13 de dezembro de 1997 e está localizada em Canoas, no Bairro Niterói.

Conheça cada Programa da Unimed Central de Serviços – RS:

I – PROGEAB (Programa de Gestão de Abastecimento): proporciona redução de preços de medicamentos e materiais hospitalares, garantindo a origem e a qualidade dos produtos e gerando economia para os serviços próprios e credenciados das Filiadas, reduzindo custos assistenciais.

II – PROGEPRO (Programa de Gestão de Procedimentos Médicos): objetiva agilizar, padronizar e gerenciar a realização de procedimentos médicos, especialmente os de maior complexidade e de maior custo, com garantia de qualidade para os pacientes e redução dos custos assistenciais para as Filiadas.

III – PROGESERV (O Programa de Gestão de Serviços de Saúde): objetiva otimizar os recursos existentes, próprios ou credenciados, como hospitais, pronto-atendimentos, clínicas e laboratórios, buscando redução dos custos assistenciais das Filiadas.

IV- PROGETEC (Programa de Gestão de Tecnologia da Informação): objetiva oferecer soluções inovadoras e prestar serviços tecnológicos qualificados às Filiadas, buscando melhoria dos processos e da gestão das mesmas, com redução dos custos operacionais.

A Unimed Central RS atua em nome de 28 singulares e uma Federação no Estado do Rio Grande do Sul, representando os interesses de 12 mil Médicos Cooperados, Clínicas e Serviços Credenciados, beneficiando uma população de mais de 1.500.000 usuários.

O COOPERATIVISMO E OS DESAFIOS DA EMPREGABILIDADE – 2

(Texto de Edson L. Doncatto)

Temos várias experiências cooperativistas que dificilmente serão repetidas, porém podem servir como exemplo de que é possível a constituição de cooperativas de trabalho, em todos os locais onde a prestação de serviços ou de produção se tornem necessários.

O sucesso ou o fracasso das cooperativas é diretamente proporcional ao grau de conhecimento, de envolvimento e entendimento de como funciona este modelo social e econômico. O modelo cooperativista é um modelo no qual as decisões são tomadas no interesse da maioria, com a possibilidade de os assuntos serem exaustivamente debatidos.

Em 1844, na Inglaterra, aconteceu uma experiência na qual os operários desempregados criaram, por necessidade, um armazém cooperativo, uma biblioteca, onde os negócios eram feitos com pagamento à vista e tinham algum retorno monetário, de acordo com a participação nas operações da cooperativa.

Em 1943, na Guerra Civil da Espanha, em Mondragon, no País Basco, um grupo de jovens sob influência do Padre Arizmendiarrieta, depois de muitos anos de discussão, iniciou um projeto industrial sob a forma cooperativa e hoje é um complexo industrial, distributivo, creditício e educacional que oportuniza acesso ao mercado de trabalho em todos os níveis de capacidade individual.

Dizia D. José Arizmendiarrieta: “As necessidades nos unem e as ideologias nos separam”. Nos momentos de crise e de escassez o modelo cooperativista sempre teve papel importante.

Hoje, diante de tanta dificuldade para constituir empresa geradora de postos de trabalho, principalmente na construção civil, mas também nos demais setores, as pessoas precisam de algum tipo de apoio, mesmo que seja para trabalho de pouca qualificação técnica.

Temos um grande campo onde as cooperativas de trabalho podem atuar, considerando a explosão das moradias no meio urbano; o lixo, em todas as suas fases; e o saneamento básico, tanto do esgoto pluvial e cloacal, desde a escavação no local indicado até a confecção das tubulações, como exemplos.

Há oportunidades. É necessário o apoio, principalmente público, para facilitar e acelerar as oportunidades a todos cidadãos.

NOVO GOVERNO, NOVAS PROPOSTAS!

democ

Independente da tendência política e administrativa, todo novo governo cita novas propostas para a comunidade. Na prática, ficam algumas realizações, e muitas promessas não cumpridas. Nos resta persistir. E, persistir também é expor nossas opiniões, a favor do associativismo como ferramenta de integração e participação na comunidade.

Trabalhamos para que as políticas públicas proponham medidas favoráveis ao empreendedor, que na sua atividade venha criar novas formas de trabalho e remuneração digna.

Trabalhamos para que as atitudes governamentais impulsionem o empreendedor que gera empregos; impulsionem quem ajuda a educar e formar pessoas, como forma de qualificar e integrar na comunidade; permitam alta produtividade no ambiente competitivo que vivemos hoje; derrubem barreiras às novas ideias e ao livre comércio; atuem  na regulação facilitando, e não burocratizando; que facilitem recursos em áreas produtivas, diminuindo o tamanho da sua máquina, e diminuindo investimento em compromissos com entidades sem fim produtivo; e, que garantam infraestrutura mínima para as comunidades.

As cooperativas necessitam desse apoio estatal para oferecer mais participação da sociedade, com integração dos seus membros em atividades produtivas e sustentáveis, como solução para a autoestima do indivíduo, da sua família e do seu grupo comunitário. Tudo resultará em um país melhor, com mais propostas obtendo resultados positivos!